sábado, 9 de maio de 2009

Exórdio da História da Antropologia.

Homero, Hesíodo, assim como os filósofos Pré-socráticos viam este impacto das relações sociais como conseguência dos caprichos dos deuses, como conta a odisséia de Homero e a Teogonia de Hesíodo, como construções de pensamentos baseados na experiência humana, como prefiriam os filósofos Pré-socráticos.
A medida humana foi o centro da discussão a cerca do mundo na Antiguidade Clássica. Os gregos deixaram diversos registros e relatos acerca de culturas diferentes das suas, assim como os chineses e os romanos. nestes textos nascia, a Antropologia, heródoto descreveu as culturas com as quais seu povo se relacionava. Aristóteles descreveu as cidades gregas e Xenofonte descreveu a Ìndia.
Entre os romanos, o poeta Lucrécio investigou as origens da religião, das artes, e se ocupou da análise do discurso, Tácito analisou as tribos germânicas, baseando-se nos relatos dos soldados e viajantes. Agostinho, um dos pilares teológicos do Catolicismo, descreveu as civilizações greco-romanas "pagãs".
O saber antropológico participou das discussões da Filosofia, ao longo dos séculos embora não existisse como disciplina específica. Durante a idade média muitos escritos contribuíram para a formação de um pensamento racional, aplicado ao estudo da experiência humana, como fez o administrador francês Jean Bodin, estudioso dos costumes dos povos conquistados. Com o advento do movimento iluminista, este saber foi estruturado em duas partes: a Antropologia Biológica e a Cultural.