sábado, 30 de maio de 2009

A importância da história para a antropologia.

A história consiste em seu método. A experìência comprova que ele é importante para inventariar todos os elementos de uma estrutura qualquer, humana ou não humana ; portanto a história é o ponto de partida para toda busca de inteligência. A historia leva a tudo, mas contanto que se saia dela. ( Claude Lévi-Strauss ).
Os camaiurás (também kamaiurás ou kamayurás) constituem uma etnia indígena brasileira. Habitantes do Parque Indígena do Xingu, às margens da zona de confluência entre dois importantes rios da micro-bacia xinguana, os camaiurás pertencem ao grupo étnico e linguístico tupi-guarani, estando inseridos na zona cultural do Alto Xingu.
Os camaiurás possuem um sistema tradicional caracterizado pela heterogeneidade, fruto do intenso processo de casamento intertribal e dos enérgicos laços de coesão que mantém com outras sociedades indígenas do mesmo espaço geográfico.
Entre os indígenas do grupo, vigora um sistema de organização civil peculiar, caracterizado por um único complexo de imensas ocas comunitárias circularmente dispostas ao redor de um terreiro público. Tal espaço, formado a partir da convergência de quatro vias principais, destina-se à celebração dos ritos e tradições referentes à cosmologia do povo. As habitações primordialmente constituídas por taquaras e palha, podem chegar a trinta metros de comprimento e abrigar várias famílias, segundo a ancestralidade que possuam.
A sociedade, embora rigidamente patriarcal, não menospreza o papel feminino, encarregando-as da tutela dos filhos, manutenção da ordem doméstica, plantio e colheita das raízes comestíveis e preparação dos alimentos, enquanto compete ao homem a obtenção protéica e a limpeza da roça na qual será plantada a mandioca.