terça-feira, 19 de maio de 2009

Alimentos Orgânicos sem agrotóxicos aumentam as defesas do corpo.

Fonte Paranashop.
Vegetais e frutas orgânicas aumentam defesas do organismo
Durante a 2ª edição da Orgânica 2009 - Feira do Complexo Agroindustrial Orgânico e Biotecnologias e Fórum Internacional da Agroindústria Orgânica discutiu-se o benefício da alimentação orgânica em relação aos convencionais e suas vantagens para a saúde.
Para debater o assunto, o painel Orgânicos e Saúde: alimentando a imunidade , que ocorreu nesta terça às 14h, reuniu o médico e nutrólogo Mauro Lins, a presidente da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos e pesquisadora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Sonia Stertz, e o doutor em agroecologia e agricultura sustentável da Universidade de Londres, Geraldo Deffune.
De acordo com os palestrantes, a busca por alimentação saudável fez surgiu na década de 90 o conceito do alimento livre de insumos químicos e que utiliza apenas fontes de nutrientes naturais durante sua plantação. De lá para cá, o setor de orgânicos movimenta mundialmente R$ 132 bilhões com estimativa de chegar a R$ 176 bilhões em 2010.
Esse volume vem aumentando porque os especialistas já comprovaram o prejuízo dos agrotóxicos à saúde, podendo irritar as mucosas intestinais, provocar arritmia cardíaca, causar distúrbios neurológicos e até câncer. A arritmia cardíaca é um dos sintomas de dores elevadas de inseticidas fosforados, encontrados no morango e na cenoura. Alguns fungicidas, como o clorotalonil, encontrado na alface, no tomate e em outras verduras, podem provocar irritação nas mucosas do intestino e levar à diarréia , enumera a pesquisadora da UFPR Sonia Stertz.
Além disso, os agrotóxicos estão associados ao aumento de tumores cerebrais e do câncer de mama em mulheres, bem como à diminuição da fertilidade feminina. Em artigo publicado na Revista Panamericana de Saúde Pública, alguns municípios do interior do Paraná registraram queda no número de nascimentos de homens devido à exposição de agrotóxicos.
Para reduzir o impacto do uso desses pesticidas à saúde, a cientista aponta que os agrotóxicos sistêmicos não são eliminados em lavagens, nem com hipoclorito, vinagre ou bicarbonato. De acordo com a Agência de Vigilância Sanitária (ANVISA), os alimentos com maior índice de agrotóxicos foram o pimentão (64%), seguido do morango (36%), uva (33%) e cenoura (31%).